PROMESSA DO FLAMENGO PARA AOS 24 ANOS

Recebi semana passada (08-06-17) a visita do nosso entrevistado de 16-02-13 que foi comer uma canjica na chácara e ver como estava a mangueirinha.

Carlos Alberto Cesário Lima nasceu no dia da queda da Bastilha – 14 de julho – de 1942, filho do casal Eduardo e Antonieta. Moravam  próximo ao Palácio onde residia o presidente da República, onde o menino nasceu. A família mudou-se para Botafogo, Rua São João Batista. Em 1955 a transferência para Niterói e na praia de Icaraí e Cantinho do Ouro, o garoto de 10 anos se apresentava fazendo “embaixadinhas”, anunciado pelo pai como capaz de “fazer quinhentas”. Era atração, na verdade fazia pouco mais de duzentas, o que não era pouco.

A prioridade eram os estudos, onde o menino não se desenvolvia na mesma intensidade com que se apresentava de chuteiras. A bola ganhava dos livros e isso, para o pai, não era bom. Carlos Alberto foi matriculado no Ginásio Sul-Fluminense, em regime de internato em 1959/60. Ali começou a usar chuteiras, depois do sucesso nas areias da então capital do Estado da Guanabara. De tanto ouvir histórias do filho, o pai Eduardo resolveu levá-lo ao Flamengo, para testes. Dois treinos observados pelo consagrado técnico Fleitas Solich resultaram numa grande bronca pelo pouco tempo em que o garoto foi testado.

Em pé: Murilo. Itamar. Jaime. Valdomiro. Carlinhos e Paulo Henrique. Agachados: Carlos Alberto. Nelsinho. Almir. Silva e Osvaldo.

As condições eram bem diferentes de hoje. Não havia escolinhas, o cuidado que existe agora, embora muito longe do ideal. A garoto chegava para treinar com o técnico que tinha sido tricampeão (1953/54/55), muito prestígio, conhecido como “feiticeiro”, para enfrentar o time aspirante (reservas) misturado com profissionais, em treinos coletivos, uma loucura. Mesmo assim Carlos Alberto venceu e se tornou ídolo da maior torcida do Brasil, mesmo treinando pouco mais de dez minutos. Parou de jogar aos 24 anos, ferido pela violência de alguns brucutus da época. Para muitos, ali estava pintando o substituto de Garrincha na seleção.

 VOCÊ LEMBRA DO NOVO TESTE ?

Lembro muito bem, como esquecer aquele dia ? Foi um coletivo contra os titulares, que jogariam domingo. Na sexta o time era definido. Entrei no segundo tempo, pela meia direita, enfrentando Carlinhos e Nelsinho, Dida, Joel, Moacir, só feras, que foram titulares por muitos anos. Arrebentei com o treino. Estava soltinho, tranqüilo, parecia que conhecia todo mundo, bem à vontade mesmo. Depois do treino Solich procurou meu pai, que era meu “empresário” para acertar um contrato de três meses. Com apenas um treino a valer assinei com o Flamengo como experiência, o que eles chamavam “contrato de gaveta”.

COMO VOCÊ FOI ESCALADO NO TIME PRINCIPAL ?

– Eu fazia parte do grupo, treinava, fazia amistosos, jogava no Aspirante, esperando a chance, quando fui chamado para substituir o Adilson, que veio do Corinthians, numa excursão na Europa. O time estava na Suécia e viajei sozinho, um medo danado de me perder, eu tinha 17 pra 18 anos, minha primeira viagem de avião. No dia seguinte entrei em campo no lugar de Nelsinho, machucado, contra o AIK. No vestiário o Dida veio falar comigo, deu a maior força, me ajudou muito. Ganhamos de 5 x 0 ou 5×2, não lembro, mas fiz dois gols. Depois continuei jogando, na Rússia, Checoslováquia, uns quinze jogos, mais de um mês, fiz outros gols mas não lembro.

NOTA: Carlos Alberto estreou em 15-05-62, contra o AIK, estádio Rasunda, vitória por 3xl, gols de Carlos Alberto, Henrique e Dida. Time: Ari, Jouber, Decio Crespo, Jadir e Jordan; Vanderlei e Carlos Alberto; Joel, Henrique, Dida e Miranda. O Flamengo fez 22 jogos, de 04-04 a 30-06-62, na Suécia (4), URSS (4), Tchecoslovaquia e Italia (3), Espanha, Tunisia e Gana (1), Noruega e Finlandia. Jogou seis partidas e marcou dois gols. Fla venceu 11 jogos, perdeu 10 e empatou 1..

NA VOLTA FOI PARA A RESERVA MESMO ASSIM ?

– Isso era julho de 1961, começou o campeonato carioca, que não permitia substituição. Quem não era titular jogava no Aspirante, que fazia preliminar. Pegava sol de 13 horas e tinha que matar um leão por dia esperando a chance. Jogava com Marco Aurelio, goleiro, Paulo Henrique, que seria capitão por mais de dez anos, Luis Carlos, Foguete, que veio da Portuguesa, Fraga, na ponta esquerda, Silas. Era um grupo bom, fazíamos parte do elenco. Jogava, excursionava, esperando uma vaga.

QUE VAGA DEMORADA !

– Não era fácil. Eu treinava bem na meia e na ponta mas os titulares eram Nelsinho, dono da 8, e Espanhol, pela ponta, jogando uma barbaridade. Tive, como os outros, que esperar muito tempo. Quem jogava ia ficando, ninguém era sacado, cada posição tinha um dono, nenhum jogador era vendido, as vagas eram muito raras, a gente só entrava se o titular se contundisse. Foi assim durante todo o ano de 1962. Jogava nos Aspirantes, excursionava mas não fiz um jogo sequer no time titular. Passei a jogar pela ponta porque havia um boato que o Espanhol seria vendido. Eu ia jogar a decisão de 1963, contra o Fluminense, no lugar do Nelsinho, que estava machucado. Fiz o coletivo na quarta e na sexta mas no dia do jogo o titular estava recuperado e jogou. Fomos campeões com o 0x0 e o destaque foi o nosso goleiro Marcial.

FINALMENTE A ESPERADA CHANCE !

– Foi em 1964, quando o Espanhol foi vendido, o que era mais ou menos previsto, havia boato, como falei antes. Eu já havia me fixado como ponta direita e estava muito bem, em grande fase. Solich havia saído e quem me lançou como titular foi Flavio Costa. Ele contava que durante um torneio na Espanha, contra o Nacional, do Uruguai, os observadores foram conhecer melhor o Espanhol, que jogou o primeiro tempo eu entrei no intervalo e acabei com o jogo e os caras pensaram que eu era o Espanhol, que foi comprado errado. Mas não foi bem assim. Ele jogava muito, foi comprado por suas qualidades, um baita jogador. Fez muito sucesso por lá. Isso fica por conta do folclore do futebol, que é muito rico, ahahah.

NOTA: primeiro jogo oficial, vitória sobre a Portuguesa por 2×1, dia 19-07-64, gols de Carlos Alberto e Nelson, na Laranjeiras, Campeonato Carioca. Time: Marcial, Murilo, Ditão, Ananias e Paulo Henrique; Carlinhos e Nelsinho; Carlos Alberto, Airton, Nelson e Paulo Alves. Árbitro: Amilcar Ferreira.

ESPANHOL FOI COTADO PARA A SELEÇÃO BRASILEIRA

– Ele ficou por lá, mora até hoje na Espanha onde fez muito sucesso. Foi um grande jogador. Vi um jogo dele contra o Vasco, pelo Aspirante, que eu nunca vi um jogador jogar tanto. Ele deu um baile num lateral chamado “Pau” Pereira, que batia muito, um negrão forte, que jogou no lugar do Barbosinha. Joguei algumas partidas contra ele, dava medo. Mas nesse dia o Espanhol acabou com ele. O Flamengo venceu por 5×4, um grande jogo.

COM A VENDA DO ESPANHOL VOCÊ GANHOU A VAGA !

– Ele foi vendido em 1964 e fui lançado pelo Flavio Costa como titular. A estréia foi contra a Portuguesa, no campo do Fluminense, vencemos por 2×0 e fiz o primeiro gol. Naquela época o campeonato era por pontos corridos e o Flamengo estava uns quatro ou cinco pontos do segundo colocado quando sofri uma lesão muito séria, num Fla x Flu. Fui no fundo para cruzar uma bola e fui acertado numa dividida com Altair e Procópio, juntos. Não sei quem me acertou ou se pisei num buraco, mas ali começava meu drama, uma fratura de maléolo que me tirou de ação por muito tempo.

UMA LESÃO QUE HOJE SERIA BEM RECUPERADA

– Sim, claro, hoje os caras quebram a perna e uma semana depois estão jogando, houve uma evolução muito grande nessa área. Acabei ficando muito tempo fora, só treinando e fazendo tratamento, nada de jogo. Eu ia voltar contra o Botafogo, já nos jogos finais, com a promoção do jogo em cima de mim e do Garrincha, duelo dos pontas, aquelas coisas que os jornais fazem para chamar o torcedor. Fiquei fora e o Botafogo ganhou de 1×0, gol de Roberto Miranda, de cabeça, na despedida de Nilton Santos. Bastava o empate para o Flamengo ser o campeão. Ficaram para a final Fluminense, que acabou campeão, e Bangu.

QUANTO TEMPO VOCÊ FICOU PARADO ?

– A metade do ano fiquei fora, só em tratamento e recuperação física para poder jogar. Atuei umas dez partidas, mais ou menos e o time acabou campeão do Quarto Centenário, já em 1965. Não era um grande time, timaço, mas tinha Almir e Silva em grande fase. Eles resolviam os jogos, estavam afinadinhos, jogando muito. Poucas vezes vi uma dupla tão entrosada como aquela. Tinha um meio de campo excepcional com Carlinhos e Nelsinho, Paulo Henrique agora titular absoluto, jogando muito, capitão do time, Osvaldo “Ponte Aérea”, Ditão, Jaime Valente, não lembro de todos.

NOTA: O Flamengo perdeu para o Botafogo por 1×0 (19-12-65) mas foi campeão. Time: Valdomiro, Murilo, Ditão, Jaime Valente e Paulo Henrique; Carlinhos e Nelsinho; Neves, Almir, Silva e Rodrigues. Técnico: Armando Renganeschi.

A RECUPERAÇÃO FOI BOA ?

– Não, foi um ano muito complicado. Joguei pouco, umas dez vezes, como já falei, sempre recuperando de lesões. Era titular mas não estava sempre em campo. Eu precisava atuar, visando uma vaga na seleção para 1966, na Inglaterra. João Saldanha se empolgou com algumas partidas que fiz e disse que o time seria eu e mais dez. Me dando força, claro. Chegou a falar isso comigo. Eu estava no melhor momento tecnicamente, mas fisicamente não conseguia render bem. Vivia no departamento médico.

VEIO ENTÃO A SEGUNDA CONTUSÃO SÉRIA !

– Tive que fazer uma cirurgia na coxa, para recuperar um músculo. Levei oitenta pontos internos e externos para tentar acabar com as constantes lesões musculares. Foi uma operação muito complicada que me tomou muito tempo. Era tudo muito difícil para todo mundo, mas para mim parecia pior, que fase.

CONTRA O BANGU A ENTRADA FATAL

– Comecei 1966 jogando, aparentemente recuperado, titular absoluto, olho na camisa 7 da seleção brasileira, que se preparava para a copa do mundo da Inglaterra. Fiz um bom campeonato, tudo corria bem até a decisão contra o Bangu, quando sofri aquela entrada no joelho e não me recuperei mais. Fiz três operações mas nenhuma deu certo. Foi uma entrada violenta do Ari Clemente, que me tirou do jogo aos 10 minutos. Não podia substituir naquela época e fiquei pela ponta fazendo número. Nelsinho também se machucou e eu nem podia por o pé no chão, de tanta dor. O Flamengo ficou com nove jogadores.

FINAL DE CARREIRA

– Fiquei três anos operando, tentando recuperar, fazendo tratamento, mas nada de bola. Encerrei a carreira com 24 anos, praticamente, pois fiquei três anos sem jogar, na esperança de voltar a entrar em campo. Se fosse hoje eu voltaria, tenho certeza disso, mas as coisas eram muito difíceis para os jogadores. Os clubes tinham poucos recursos, não havia a fisioterapia, que diminuiu o tempo de recuperação em mais de um mês, em alguns casos. Fiz três cirurgias no joelho e em 1968 parei oficialmente, com a rescisão do contrato pelo Flamengo. Eu teria jogado mais uns dez anos, se não fosse aquele jogo com o Bangu.

COMO FOI O CONTATO COM JOÃO SALDANHA ?

– Saldanha gostava muito do meu futebol, sempre me incentivou, me promoveu muito, por isso eu devo muito a ele. Ele falou comigo, lá na Gávea, durante um treinamento da seleção juvenil, contra o Flamengo e eu barbarizei. Depois do jogo ele me disse que eu estava praticamente convocado, não sei em que se baseava, mas como era o Saldanha, fiquei na esperança de ser chamado. Na verdade eu acredito que seria mesmo, até porque, naquele ano convocaram quatro seleções e acabaram levando o Garrincha sem a mínima condição de jogo. Isso foi em 1964.  Mas o destino não quis assim, paciência.

FIM DA LINHA ?

– Tudo caminhava para ser o fim da linha, mas a gente nunca se entrega e fiz mais uma operação no joelho, com o Dr. Paes Barreto, que era médico do Fluminense. Meu pai já havia conseguido meu passe com o Flamengo e o Dr. Barreto fez um contato com o Flavio Costa, seu amigo, que estava no América. Ele acreditava na minha recuperação. Fui treinar naquele campo do Andaraí, onde hoje tem um shopping (Iguatemi), mas o joelho inchava depois de qualquer atividade. Treinava, inchava, tratamento, infiltração de cortizona, a mesma rotina anterior. Meu pai procurou outros médicos, curandeiros, rezadeiras, fui parar no Zé Arigó, que, diziam, recuperava qualquer lesão. Nada deu certo.

QUANDO VOCÊ PAROU DE VEZ ?

– Depois de tanto rodar fomos indicados a um médico, não lembro o nome dele, ali na entrada do túnel Rebouças. Diziam que o cara era muito bom, fomos tentar mais uma vez. Depois de algumas radiografias ele me chamou e bateu o martelo: “Carlos Alberto você tem uma artrose progressiva e só pode piorar, não pode mais jogar profissionalmente”. Não tinha mais volta. Nem peladas podia jogar mais.

FUTEBOL SÓ PARA ASSISTIR E TORCER PELO FLAMENGO ?

– Lógico, Flamengo sempre, a família toda. Mas no geral está muito ruim. Filhos, netos, todo mundo comemora cada gol, cada vitória, mas eles andam um pouco escassos. Vejo muito os campeonatos europeus, a Liga dos Campeões, sempre com grandes partidas, times excelentes, os melhores jogadores do mundo estão lá. Dá gosto ver um Cristiano Ronaldo, Messi, Xavi, Iniesta e tantos outros craques maravilhosos.

O QUE ESPERAR DA SELEÇÃO NA COPA DO MUNDO ?

– Acho que não vai a lugar nenhum, nosso futebol está muito ruim. Ronaldinho pode ser convocado ? É um grande jogador mas não dá mais. Vamos depender do Neymar, você gosta dele ? Mas sozinho, o que ele vai fazer ? Não tenho nenhuma esperança que a seleção brasileira brilhe na copa do mundo.

O QUE VOCÊ TEM VISTO MAIS ?

– O campeonato espanhol, pra mim o melhor do mundo. Dá gosto ver jogar o Real Madrid, Barcelona, lá é bom, os caras brincam de jogar, fazem aquilo com prazer, jogam muito, dá gosto de ver o futebol deles. Vi o último amistoso da Alemanha e gostei muito. Eles estão novamente com um time muito forte, o que não é novidade. Vai ser duro ganhar deles aqui. Torço para o Real Madrid, mas admiro muito o Messi, joga muito, está sempre fazendo gols, dois três por jogo, um absurdo. Mas nem pergunte se pode comparar com Pelé, não tem a menor chance. Joguei contra ele algumas vezes, vi de perto. Esqueçam qualquer tipo de comparação. Ele foi o maior de todos, único.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *